Go to Top

USP – Aluna surda passa por 1ª banca toda traduzida em linguagem de sinais

Durante quatro horas, Natália Francisca Frazão, 32, defendeu sua dissertação e recebeu o título de mestre em educação pela USP em Ribeirão Preto (SP), numa banca totalmente traduzida em Libras (língua brasileira de sinais).

O feito, inédito na universidade, aconteceu na última segunda-feira (4) com auxílio de duas intérpretes. Surda, a estudante graduada em administração de empresas escolheu a pós-graduação nessa área com o objetivo de contribuir com a inclusão e acessibilidade de surdos no ambiente acadêmico.

Os sinais da estudante foram traduzidos para entendimento da banca e de parte da plateia –havia outras pessoas que não ouviam no local. Da mesma forma, a fala dos docentes, em português, era transformada em Libras para que Natália pudesse argumentar sobre a dissertação apresentada.

A “tradução simultânea” foi possível graças a convênio estabelecido entre USP e Feneis (federação de educação e integração de surdos), que disponibilizou intérpretes da Universidade Federal de São Carlos para trabalharem com a estudante.

A trajetória de Natália na pós-graduação, no entanto, foi marcada por uma série de desafios, a começar pelo acesso ao intérprete em sala de aula. Apesar de amparada por lei, a contratação de um profissional que acompanhasse a estudante envolveu uma série de questões burocráticas, inclusive com a intervenção do Ministério Público.

Outra barreira foi o desenvolvimento da pesquisa em si. De acordo com Ana Cláudia Lodi, orientadora da estudante e fluente em Libras, toda a orientação da mestranda foi feita na linguagem de sinais e adaptada ao português.

“A língua portuguesa é uma segunda língua para os surdos. Então as dificuldades dela eram trabalhadas comigo, na orientação. Muitas vezes, ela fazia o que ela queria para o trabalho em Libras, e eu transformava isso em português. Foi uma construção partilhada de texto em função dessas dificuldades”, explica.

A dissertação fala sobre as lutas sociais estabelecidas pela associação de surdos da cidade de São Paulo e contou com entrevistas feitas com fundadores e membros da instituição –todos surdos. O material colhido em campo, em Libras, juntamente às referências bibliográficas, foi finalizado em texto escrito.

“Eu já havia feito alguns cursos na área [de educação para surdos], dei aulas de Libras tanto para estudantes ouvintes quanto para surdos, trabalhei como instrutora em uma escola municipal de São Paulo e, a partir disso, fui enxergando alguns problemas e percebendo demandas que me incitaram a contribuir para a área”, contou Natália à reportagem, em Libras, traduzidas por uma das intérpretes.

Oportunidade

Ingressar na USP sempre foi um sonho para a estudante. Mesmo diante das dificuldades, ela diz que foi incentivada e estimulada a seguir lutando pela titulação, desde o ingresso no curso em 2015.

“Sou grata à minha orientadora e à coordenação do curso, que abriram as portas para que o surdo tivesse a oportunidade de estudar num programa de pós-graduação da USP”, diz Natália.

“Todos lutaram para que houvesse um intérprete para mim. Houve a preocupação em disponibilizar o curso na minha língua. A única palavra para este momento é gratidão”, conclui.

Para a orientadora, a conclusão do mestrado de Natália é sinônimo de vitória para a universidade.

“Foi um esforço grande por parte da Natália até regularizarmos a questão do intérprete em sala de aula. O programa ganha com essa banca inclusiva, e esperamos que, com a primeira mestre surda da USP, outros estudantes nos procurem e o acesso em outros campi também seja ampliado”, afirma Lodi.

Fonte: Folha de S. Paulo – Foto: Reprodução/Folha de S. Paulo

Comunicação CRUB
(61) 3349-9010

ăn dặm kiểu NhậtResponsive WordPress Themenhà cấp 4 nông thônthời trang trẻ emgiày cao gótshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữhouse beautiful